terça-feira, 6 de agosto de 2013

Ação pede o fim da BBOM e a devolução do dinheiro a associados

Do Portal IG:
aqki2x1d1rnd31rucgpm8uymx
O Ministério Público Federal em Goiás (MPF-GO) e o Ministério Público de Goiás (MP-GO) pediram à Justiça que decrete a dissolução da BBom e a devolução dinheiro investidos pelos cerca de 200 a 300 mil revendedores do negócio, acusado de ser uma pirâmide financeira. Em julho, os órgãos já haviam conseguido o bloqueio das contas da empresa e de seus sócios, bem como a proibição de cadastramento de novos integrantes .
Em nota, a BBom informou estar ciente de desenvolver “uma atividade econômica lícita e regular” e que apresentará defesa contra os pedidos dos órgãos. Ao mesmo tempo, diz o texto, a empresa tentará derrubar a liminar (decisão temporária) que bloqueia suas atividades desde julho.
Rastreadores insuficientes 
O pedido de dissolução da BBom e de devolução das verbas foi feitos por meio de uma ação civil pública (ACP) apresentada no fim da tarde de segunda-feira (5) à Justiça. O documento propõe que sejam declarados nulos todos os contratos firmados pelas empresas responsáveis pela marca – a Embrasystem e a BBrasil organizações e métodos –, inclusive aqueles firmados pelos associados, como são chamados os revendedores.
A BBom é apresentada por seus responsáveis como um sistema de marketing multinível pelo qual são comercializados os serviços de rastreamento de veículos e de pessoas prestados pela Embrasystem. Os revendedores (associados) eram atraídos para a rede com a promessa de lucros expressivos, e tinham de pagar taxas de adesão que variam de R$ 600 a R$ 3 mil.
Para o MPF-GO e o MP-GO, porém, o negócio é uma pirâmide financeira. Os lucros e bonificações prometidas aos associados viriam das taxas de adesão, e não da venda dos serviços de rastreamento.
Isso porque o negócio da empresa seria invíavel. Segundo o texto da ação civil pública, a BBom vendeu 1 milhão de rastreadores, mas adquiriu junto a fornecedores menos de 90 mil aparelhos. O principal fornecedor, de acordo com o documento, ter vendido 69.114 rastreadores à BBom.

Nenhum comentário:

Postar um comentário