quinta-feira, 22 de agosto de 2013

10 dúvidas sobre a saúde íntima das mulheres



Toda mulher deve cuidar do seu corpo. E não apenas externamente. Embora ela sonhe em ter aquela barriguinha sarada das celebridades, a verdade é que cuidar da saúde intima é muito mais importante. Principalmente para se ter uma vida plena e livre de complicações causadas por problemas ginecológicos como cólicas, corrimentos, infecções e falta de apetite sexual, entre outras.
O fato é que, por conta da anatomia do seu corpo, as mulheres são muito mais vulneráveis que os homens. Logo podem sofrer mais com doenças sexualmente transmissíveis, por exemplo. Ao mesmo tempo o corpo feminino é complexo e muitas mulheres tem dúvidas em relação à própria saúde íntima.
Para esclarecer algumas dúvidas sobre a saúde íntima das mulheres, conversamos com o ginecologista e obstetra Jurandir Piassi Passos. Veja:
A depilação completa dos pelos pubianos é prejudicial para a saúde da mulher?
Discute-se muito qual a verdadeira função dos pelos pubianos. Acredita-se que naturalmente as funções dos pelos pubianos seriam a de ajudar a controlar a temperatura vulvar da mulher e ajudar na propagação de ferormônios. Com a utilização de roupas, estas principais funções teriam sido "perdidas", restando atualmente a questão de atração sexual, o que levou a mulher ao longo do tempo a realizar os mais diferentes tipos de depilação, desde parciais até totais.
A depilação total da vulva tem uma certa ligação com a infantilização da genitália, ou seja, manter a genitália como antes da pubarca (aparecimento dos pelos pubianos) e se tornar atraente para alguns parceiros que a apreciam mais desse jeito. Outra questão da depilação total é o sexo oral, onde a retirada do pelos poderiam ajudar a realizar essa prática sem o inconveniente da presença dos pelos.
Outra questão que deve ser lembrada é que os pelos podem também exercer uma função de amortecimento durante o ato sexual e a sua depilação completa pode favorecer a ocorrência do contato pele a pele com o parceiro e isso poderia facilitar a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, além do que, o microtrauma que a depilação proporciona na pele vulvar pode também favorecer infecções de pele local (foliculites) o que, em casos mais graves, acabariam por dificultar a relação por um período de tempo.
É verdade que a pílula anticoncepcional diminui a libido?
No ciclo natural, os hormônios femininos se caracterizam por uma ciclicidade dos níveis hormonais que não estão presentes quando a mulher utiliza anticoncepcionais. No dia da ovulação detecta-se, por exemplo, elevação de hormônios masculinos na circulação materna que estão relacionados ao aumento da libido da mulher nessa fase, aumentando assim a possibilidade dela engravidar.
A maioria dos anticoncepcionais mantém uma dose constante de hormônios, principalmente da progesterona, que dependendo da sensibilidade da mulher a esse hormônio, bem como sua dosagem e tipo, podem levar a diminuição da libido feminina. O fator psicológico também pode ser um fator associado que contribua para a diminuição da libido.
Sabonetes íntimos podem ser usados à vontade? Há alguma restrição ou recomendação no uso?
Não há restrição da utilização dos sabonetes íntimos. A única questão é que deve-se evitar sabonetes bactericidas, pois atuam também na flora normal da pele e podem predispor infecções secundárias com riscos para a saúde íntima da mulher. Salienta-se ainda que é contraindicado qualquer tipo de lavagem da vagina (lavagem interna/ducha interna) pois também alteram as defesas naturais da vagina e podem predispor a corrimentos crônicos.
Absorventes internos fazem mal à saúde íntima da mulher?
Não há contra indicação da utilização de absorventes íntimos. Apenas deve-se tomar o cuidado de não dormir com eles e de trocá-los em intervalos que não excedam quatro horas, a fim de se diminuir os riscos de infecção genital.
Sentir cólicas antes de menstruar é normal ou indica alguma doença?
As duas respostas estão corretas. Cólicas leves podem aparecer antes de surgirem os sangramentos. O processo de liberação do endométrio (descamação que dá origem ao sangue menstrual) se inicia aproximadamente 24 horas antes e, nesse processo, há liberação de substâncias que podem provocar as cólicas, principalmente prostaglandinas. Se a dor for muito intensa e se iniciar muitos dias antes da menstruação e continuar presente em todas as menstruações um médico deverá ser procurado para afastar alguma doença mais grave.
Como se prevenir do câncer de colo de útero?
A primeira questão é nunca abrir mão da utilização do preservativo nas relações sexuais por mais confiança que se tenha no parceiro. A outra é visitar pelo menos uma vez ao ano o ginecologista para o acompanhamento e realização de exames, como o papanicolau (colpocitologia oncótica), a fim de detectar qualquer alteração que possa facilitar o desenvolvimento desse tipo de câncer. Existe uma correlação muito bem estabelecida entre a presença do HPV (papiloma vírus humano) e a ocorrência do câncer de colo uterino. Esse vírus pode ser detectado através de exames específicos, mas a sua infecção já pode ser detectada no papanicolau, daí a importância desse exame.
Como combater e aliviar a TPM?
A TPM pode ser tratada ou amenizada de várias formas. A mais simples é a escolha de alimentos que atuam minimizando os sintomas, tais como derivados da soja, brócolis e couve-flor, ricos em antioxidantes, peixes ricos em Omega 3 que atuam como anti-inflamatório e que também têm o triptofano (além do feijão e nozes) que atuam dando sensação de bem estar.
Se a TPM for relacionado a sintomas isolados como cólicas, a utilização de algumas medicações como anti-inflamatórios podem ser suficientes para o tratamento. Se o fluxo menstrual for muito grande, medicações a base de hormônios podem ser indicadas, bem como vitaminas e até mesmo medicações antidepressivas. Tudo vai depender do tipo de sintomatologia. E é essencial que a mulher procure atendimento médico para melhor orientação.
Quando inicia a menopausa e quando ela é considerada precoce?

A menopausa tem um início muito variado na população brasileira e mundial. A média de entrada em menopausa é por volta dos 48 - 50 anos e é considerada precoce quando ocorre antes dos 40 anos. A presença de sintomatologias como ondas de calor (fogachos), irregularidade menstrual, mudança de humor e libido podem ser, quando associadas, os primeiros sinais da aproximação de uma menopausa precoce. A avaliação hormonal da mulher, realizada pela coleta de sangue pode levar ao diagnóstico dessa afecção e o tratamento pode ser realizado, a fim de se retardar os riscos para a saúde da mulher, como a osteoporose.

Irregularidade na menstruação pode ser sinal de alguma doença no útero?
A irregularidade menstrual, por si só, não representa de forma inequívoca uma doença uterina, mas está ligada mais frequentemente a alterações hormonais. O que pode sugerir doença uterina seria a ocorrência de escapes menstruais ao longo do mês, bem como alteração do volume menstrual. Pólipos endometriais, miomas que atingem a cavidade uterina e mesmo o câncer de endométrio podem levar a sangramentos anormais e na ocorrência desses sintomas, a mulher deve ser avaliada por médico. Ressalta-se que a ocorrência de qualquer sangramento vaginal após a menopausa deve ser avaliado o mais breve possível, pois o risco de doença mais séria do endométrio como o câncer é alto.
Quais são as DSTs mais comuns e como identificá-las?
As DSTs mais comuns são a sífilis, gonorreia, HPV e AIDS. A sífilis muitas vezes não é de fácil detecção na sua forma inicial, pois se caracteriza por uma ulceração pequena e indolor que desaparece espontaneamente em poucos dias. A sífilis secundária já tem expressões mais visíveis e leva a maioria das pacientes a procurar atendimento médico. O tratamento é importante, pois ela pode afetar os filhos que são gerados durante a fase ativa da doença bem como podem evoluir para a sífilis terciária com implicações graves na saúde da mulher.
A gonorreia se caracteriza pela presença de corrimento vaginal ou a ocorrência da inflamação de uma glândula que fica na entrada da vagina e que é responsável pela lubrificação vaginal durante o ato sexual. A inflamação dessa glândula pode ser tão importante que o tratamento antibiótico deve ser associado ao tratamento cirúrgico, a fim de que um abscesso decorrente dessa infecção possa ser drenado. O HPV pode se manifestar na forma de verrugas (condilomas) e estão associados também ao aumento de risco para câncer de colo uterino na mulher que não faz acompanhamento adequado e frequente com ginecologista.
Uma vez presentes essas verrugas, o seu tratamento pode ser feito através da utilização de medicações tópicas, laser, ou necessitar exérese cirúrgica sob anestesia. A AIDS tem uma divulgação muito grande na mídia mas, infelizmente, ainda continua sendo uma das doenças sexualmente transmissíveis mais frequentes pela simples resistência ao uso do preservativo durante o ato sexual. O diagnóstico pode ocorrer durante exames de rotina ou por complicações da mesma em decorrência da queda de imunidade da mulher afetada.
Destaco que em trabalho recente realizado pelo H. Emílio Ribas vem sendo detectado aumento da ocorrência de sífilis na população principalmente pela não utilização de preservativo durante o sexo oral, pois acreditam que só o sexo vaginal é que pode transmitir alguma doença.
Fonte: Yahoo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário