quarta-feira, 31 de julho de 2013

40 Horas na Memória estreia nesta quinta-feira

Há exatamente 50 anos, o Sertão Central do Rio Grande do Norte vivenciava experiência pioneira na alfabetização de jovens e adultos, com o Projeto 40 Horas de Angicos, idealizado pelo educador Paulo Freire, em 1963. Para resgatar essa experiência, a Assessoria de Comunicação da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Assecom/Ufersa) produziu o documentário “40 Horas na Memória: Resgate da Experiência dos Alunos de Paulo Freire em Angico/RN”.
O documentário tem como protagonistas 19 ex-alunos que vivenciaram aquela experiência. Hoje, eles já são idosos com idade acima de 70 anos, mas com uma memória recheada de ensinamento e muita gratidão. O documentário com o relato desses ex-alunos será lançado na quinta-feira, dia primeiro de agosto, no campus da Ufersa de Angicos, cidade onde Paulo Freire plantou sementes de conhecimento.
Os relatos foram filmados durante os meses de fevereiro e março e o documentário é ambientado nas residências de cada um dos participantes. “É uma forma de mostrar a realidade atual dessas pessoas, bem como resgatar a memória desses idosos, por meio da oralidade, após 50 anos dessa experiência pioneira na área da educação”, ressalta o diretor do documentário, jornalista Passos Júnior.
Como parte da programação comemorativa em alusão aos 50 anos do projeto 40 Horas, a Ufersa iniciou neste ano a construção do Memorial Paulo Freire, erguido dentro da sede da Universidade em Angicos e com previsão de ser entregue em 2014. O documentário será a primeira peça audiovisual produzida pela Instituição para o acervo do Memorial.
Além dos dezenove ex-alunos freireanos, o filme conta ainda com participação especial do poeta cordelista Hailton Mangabeira, na apresentação, e do músico Carlos Zens, assinando a trilha sonora do documentário.
Com mais de sete horas de cenas captadas, o filme mostra o recorte histórico de como aconteceu e o que representou o projeto na vida dos ex-alunos. “O roteiro abrange cinco temáticas: o cotidiano de Angicos à época; as aulas e o que foi estudado; como era Paulo Freire; o que mais marcou essa experiência e, por último, qual o legado das 40 horas”, explica a jornalista Renata Jaguaribe, roteirista do documentário.
Com duração aproximada de 35 minutos, os relatos dos ex-alunos são tomados de muita emoção e nostalgia. Eles descrevem o contexto social da cidade àquela época, incluindo a dificuldade social e política em participar do Projeto devido à realidade vivida com a política no Brasil entre o final dos anos 60 e começo da década de 1970.

O documentário tem direção fotográfica de Eduardo Mendonça, edição de Diego Farias, produção de Amanda Freitas, assistentes de produção, Higo Lima, Vanessa d’Oliviêr, Valéria Dantas e Cinara Ribeiro.

Fonte: Assessoria de Comunicação UFERSA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário